983706779

quarta-feira, 22 de março de 2017

Tecnologia, moda, saúde e games: veja empresas brasileiras no South by Southwest

Com empresas diversas, estande do Brasil atrai olhares no South by Southwest (Foto: Fabricio Vitorino/G1)

Empreendedores do Brasil apresentaram no evento americano serviços de música, 'uber dos médicos', game violento, calcinhas e outros projetos.


Por Fabricio Vitorino, Globo.com, Austin (EUA)

O South by Southwest 2017 foi cercado de expectativas para as empresas brasileiras. Durante o festival de tendências e tecnologia, realizado em Austin, nos Estados Unidos, mais de 1.100 brasileiros marcaram presença entre 10 e 19 de março.

No South by Southwest Interactive, uma parte do evento com tendências tecnológicas, uma enorme feira de exibições foi montada no Austin Convention Center, que fica no centro da cidade e é o coração do evento. Ali, centenas de empreendedores, grandes empresas, startups e países mostram suas principais apostas para o mercado de tecnologia, moda, saúde e games. E o pavilhão brasileiro, organizado pela Apex-Brasil, ocupava espaço de destaque.

A feira tem como objetivo estimular a troca de informações, mas fazer negócios ou conseguir um financiamento acabam sendo desdobramentos para quem dá as caras por lá. O G1 circulou pelo pavilhão, conferiu algumas das principais empresas brasileiras presentes no evento e conversou com seus fundadores e diretores.

Superplayer foi o primeiro no mundo a usar ‘bots’ para interagir com usuários (Foto: Fabricio Vitorino/G1)

Superplayer

O Superplayer é um serviço de música brasileiro que tem como diferencial as playlists temáticas. É possível escolher músicas para churrasco, para começar o dia, para almoçar, ou de novelas antigas, por exemplo. Criada pelo gaúcho Gustavo Goldschmidt e seus irmãos no final de 2010, o Superplayer foi usa os chatbots para interagir com o usuário.

Sua Música dá ferramentas de divulgação para artistas novos e regionais, (Foto: Fabricio Vitorino/G1)

Sua Música

Com o objetivo de ser uma “experiência social” para artistas novos, o Sua Música também já está há alguns anos na estrada. No serviço, que tem como embaixador espontâneo o cantor Wesley Safadão, estão “bootlegs” (gravações exclusivas feitas em shows), notícias, fotos e vídeos de artistas, produzidos por eles. “Nosso objetivo é empoderar o músico e o usuário. A gente dá as ferramentas para o artista divulgar seu trabalho e se conectar diretamente com o usuário”, diz Alan Trope, um dos diretores do site.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

3 Mitos do marketing digital


Isabella Magalhães

Há uma série de estratégias que permeiam o mercado de marketing digital que parecem sólidas e inteligentes, mas na verdade, são mitos que não vão acrescentar nada ao seu negócio. Veja alguns que você não deve acreditar, porque não vão ajudar o seu negócio a crescer. Aprenda com eles e adapte as suas estratégias:

Na mídia social, é fácil alcançar pessoas organicamente

A mídia social é valiosa para as empresas. E é uma ótima maneira de atingir organicamente um público grande e engajado, mas, hoje, a maioria das principais plataformas de mídia social são empresas de capital aberto que têm de gerar lucros para seus acionistas. Isso significa que o alcance orgânica das mídias sociais nos dias de hoje é baixo. Se você quiser chegar a mais pessoas, a publicidade paga é a única maneira de fazer isso. Já se passou a época da utilização gratuita da mídia social.

Adicionar qualquer pessoa que você interagiu na web à sua lista de e-mail

Essa é uma estratégia antiga que, infelizmente, ainda é usada. É basicamente adicionar alguém que você interagiu através de e-mail ou no LinkedIn na sua lista de e-mail. Mas esse é um conselho terrível, e uma estratégia que você não deve seguir. As pessoas em sua lista de e-mail devem ser pessoas que optaram por se inscrever, e não pessoas que você decide colocar na lista.

Tentar alcançar pessoas não interessadas

É um erro acreditar que alguém vai se interessar imediatamente pelo que você faz e depois comprar de você. Lembre-se, as pessoas têm que conhecê-lo primeiro antes de se sentirem confortáveis em ​​gastar dinheiro. Pare de desperdiçar seu tempo e esforços tentando alcançar pessoas que não estão interessadas. Gaste o seu tempo investindo em seu público de outras maneiras que mostram a essas pessoas por que elas deveriam fazer negócios com você.

UA-15674926-13